Apresentação

O Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho (CEHUM) é uma unidade de investigação do Instituto de Letras e Ciências Humanas (ILCH). Foi fundado em 1994, representando a continuidade e a adaptação a novos contextos do Centro de Estudos Portugueses (CEP), fundado em 1980, com enfoque nas áreas da Teoria da Literatura e da Literatura e Linguística Portuguesas. O CEHUM definiu como missão não apenas dar continuidade à investigação nestas áreas, mas também acolher novas áreas em articulação com os projetos e ensino do ILCH, tendo adotado uma abordagem multidisciplinar no campo de estudos das Humanidades.

Atualmente, o CEHUM integra investigação nas áreas de Literatura, Linguística, Cultura, Artes (Música e Teatro) e Filosofia. Em 2017, o grupo de pesquisa em Filosofia Política, que tinha desenvolvido as suas atividades no âmbito do CEHUM, organizou-se numa unidade de investigação autónoma (CEPS).

Os membros do CEHUM realizam as suas atividades no âmbito de grupos de investigação mono- e multidisciplinar, com o objetivo central de desenvolver pesquisa fundamental e competitiva, com impacto nacional e internacional, nos diversos campos das Ciências Humanas. São importantes vetores da sua atuação os estudos sobre migrações e marginalização, género e artes, estudos pós-coloniais e questões de identidade (humana, animal, máquina), os quais se articulam com as poéticas intermediais e as interartes, procurando potenciar a experiência dos seus investigadores nos domínios mencionados. As equipas multidisciplinares garantem a coesão do CEHUM na sua diversidade, fomentando a dinâmica cooperativa entre investigadores de diferentes áreas. A abordagem multidisciplinar coexiste com a investigação aprofundada monodisciplinar, com um foco central na linguística teórica e experimental, incluindo áreas da sintaxe, morfologia, fonética, do bilinguismo e da aquisição da linguagem, da análise do discurso e da pragmática, bem como da lexicografia e da história da língua. O grupo de investigação dedicado à literatura portuguesa e lusófona constitui, também, uma linha continuadora da essência seminal do CEHUM.

Áreas emergentes do centro, com novo trabalho de impacto nacional e internacional nos últimos anos, são as humanidades digitais, os estudos asiáticos e os estudos performativos, que procedem a uma reflexão sobre a prática artística sustentada.

Além dos cerca de 40 investigadores seniores, o CEHUM inclui um número significativo de investigadores juniores, tendo expandido progressivamente o número de jovens investigadores com bolsas de doutoramento ou pos-doutoramento, que contribuem significativamente para a dinâmica do centro. O CEHUM conta ainda com a colaboração externa de um grande número de investigadores, membros de outros centros nacionais e internacionais. A maioria dos membros do CEHUM participa em redes ou projetos internacionais (com especial destaque para a cooperação transfronteiriça com a Galiza). Esta dinâmica de cooperação permitiu ao CEHUM posicionar-se na primeira linha do desenvolvimento de investigação fundamental e multidisciplinar na área das Humanidades, que é reconhecido não apenas pela comunidade nacional, mas também a nível internacional.

O trabalho desenvolvido em torno de projetos nacionais e internacionais é complementado e disseminado através da organização regular de seminários, colóquios, conferências e escolas de verão. O CEHUM publica a revista científica Diacrítica (desde 2003, com três números por ano), e duas séries monográficas (as coleções Hespérides e Poliedro), bem como um grande número de atas (de que se destacam as do Colóquio de Outono) e antologias de textos teóricos em Português. O CEHUM possui uma biblioteca especializada que inclui uma secção especial de livros raros. Tendo passado recentemente por um processo de reestruturação e ampliação, prossegue a sua atualização bibliográfica no campo de estudos das Humanidades.